O básico sobre o bitcoin















O bitcoin é a criptomoeda mais conhecida no mundo e  uma revolução que veio para ficar.    Saiba mais.


O que é o bitcoin?

O bitcoin é uma moeda digital (sim, há outras, mas são menos expressivas) criada em 2008 por especialistas em computação, matemática e criptografia. Seu valor é determinado pela oferta e pela demanda no mercado. As transações em bitcoin não necessitam da intermediação das instituições financeiras e não estão limitadas por fronteiras políticas, por isso são universais, rápidas e baratas, fazendo do bitcoin uma excelente ferramenta de troca na Internet.

Como o bitcoin funciona?
O bitcoin não é emitido ou controlado pelo Banco Central de nenhum país, mas por regras matemáticas públicas que remuneram os responsáveis por validar as transações (mineradores). Os bitcoin ou suas frações estão associados a um endereço eletrônico (uma sequência longa de letras e números), e a posse desse endereço determina a propriedade do bitcoin. Evidentemente, o endereço é sigiloso e, em geral, os donos de bitcoin se protegem mantendo-o oculto em carteiras digitais, que são Apps para smartphones, programas de computador ou hardwares especializados.
Os bitcoins podem ser adquiridos diretamente de outras pessoas ou através de intermediários. No Brasil, esses intermediários são conhecidos como exchanges. As transferências de propriedade envolvem uma criptografia sofisticada, mas as carteiras digitais se encarregam de fazer com que o processo funcione de forma bem simples para o usuário.

O bitcoin é seguro?
Muito seguro, se usado corretamente. As transações em bitcoin são registradas em blocos encadeados (blockchain) numa rede descentralizada de muitos computadores, tudo protegido por sofisticados algoritmos de criptografia virtualmente à prova de hackers.

O bitcoin é legal?

Por não estar sob a tutela governamental, as questões jurídicas sobre o bitcoin ainda são objeto de intenso debate, tanto no Brasil quanto no exterior. Por hora, pode-se comprar e vender bitcoins livremente no Brasil, e espera-se que, em breve, esse mercado seja regulamentado.